quinta-feira, 10 de junho de 2010

MÃE, MINHA MÃE QUERIDA



Mãe, minha mãe querida

Hoje não te tenho mais. Partiste, foste com toda a resignação de quem crê em Deus, em uma Paz futura, sem remorsos, pois não os tinhas. Eras boa, eras mãe amiga; mãe, tú era meu Norte, meu descanso, minha paz, minha coragem. Sempre impulsionando-me para um futuro de glórias.
Fizeste teu papel na Terra, cumpriste tua missão e partiste sem reclamar.
Custei a acreditar que tinhas ido; para mim, era um pesadêlo em que estava demorando para acordar.
Nunca pensei que fosse resistir se te perdesse.
Te perdi, mãe querida, no entanto, tu continuas a existir através de teus ensinamentos, da lembrança que deixaste com tua meiguice, doçura, tua voz suave e calma.
Lembro-me ainda de tua emoção, quando algo de triste me acontecia. Teus olhos enchiam-se de lágrimas, embora tua boca só dissesse palavras de conforto e ânimo.
Mãe querida, tu foste para junto dos anjos, aliás eras um deles, mas ainda ficarás comigo, em meu coração, até que possa te reencontrar. Mãe, minhas sinceras saudades...te amo.

Naja
Publicado no Recanto das Letras em 01/11/2006
Código do texto: T279561