segunda-feira, 14 de junho de 2010

NOITE ESCURA



NOITE ESCURA

Nenhuma luz, nada, no céu as estrelas não brilham mais, a lua escondeu-se, recusa-se aparecer. Tudo é silêncio. Pássaros negros aguardam nos galhos secos das árvores por suas refeições que ainda não morreram, mas a morte se faz presente na fome, na miséria, na sede, no caos. A garganta arde, a cabeça dói, já não existe mais esperança, tudo acabou em rápidos momentos. Então ....vem a paz, a grande paz sonhada, o final.